News

11/09/2015 - O que acontecerá quando o mundo tiver um trilhão de dispositivos conectados?

Em apenas dez anos, nós poderemos viver em um mundo onde sensores estão espalhados nas paredes de nossas casas, em nossas roupas e até mesmo em nossos cérebros. Em resumo, esqueça que Internet das Coisas se limitará ao campo de sua cafeteira ou na preocupação que a sua geladeira tem com seus alimentos. Até 2025, nós estaremos vivendo em um mundo onde um trilhão de dispositivos estão conectados.

Essa é, pelo menos, a previsão do professor em engenharia elétrica e ciências da computação na Universidade da Califórnia, Alberto Sangiovanni-Vincentelli. "Inteligência pode ser incorporada em qualquer coisa", diz. "Todo nosso ambiente estará coberto de sensores de todos os tipos. Sensores químicos, câmeras e microfones de todos os tipos e formatos. Sensores checarão a qualidade do ar e temperaturas. Microfones ao seu redor escutarão seus comandos", completa.

Segundo o professor, esse será o mundo onde dispositivos conectados e sensores estarão ao nosso redor - e até mesmo dentro de nós.

"É realmente excitante", diz. Nós teremos sensores que são inteligentes e interconectados, prevê. A maioria das coisas em nosso ambiente - desde roupas a móveis em nossas casas - pode ser inteligente. Sensores poderiam ser colocados na tinta e posto em nossas paredes.

Nós simplesmente falaremos alto e a informação será nos dadas imediatamente sem que nós tenhamos o trabalho árduo de digitar em uma buscador online, ligações poderão ser feitas assim como um robô poderá limpar a sua casa e fazer o jantar.

E pense, com sensores implantados em nossos cérebros, nós nem precisaremos falar para interagir com nosso ambiente inteligente.

"A interface homem-máquina terá sensores colocados em nossos cérebros, coletando informação sobre o que pensamos e transmitindo isso em um mundo complexo que nos cerca", disse Sangiovanni-vincentelli. Algo que poderia concretizar o seu pensamento por um café, por exemplo.

E isso não é um sonho ou algo para ser fabricado para filmes futuristas. Pam Melroy, uma dos diretores da DARPA (Agência de Pesquisa de Projetos de Defesa Avançada dos EUA), disse que o professor não está sonhando.

Eu realmente acho que há alguma coisa aí, disse Melroy que já foi astronauta da NASA e das Forças Aéreas americanas.

"No mínimo, nós deveríamos estar nos preparando para isso e pensando no que será necessário. Nós entramos em lugares muito ruins quando a tecnologia ultrapassa o nosso planejamento e pensamento. Eu preferiria me preocupar sobre isso e me preparar, mesmo que leve 20 anos para se tornar verdade, do que apenas deixar isso evoluir de uma forma caótica.


Por que isso importa

Enquanto ter uma vida de trilhões de dispositivos conectados pode acontecer logo nos próximos dez anos, o pesquisador indica que há ainda muito trabalho para chegar lá. Primeiro, nós simplesmente não temos ainda a rede necessária para suportar tantos dispositivos conectados. Nós precisaríamos de protocolos de comunicação que consumem pequenas quantidades de energia e que consigam transmitir grandes quantidades de informação, ele explica.

E empresas precisariam de um número maior de sensores finos, leves e sensores baratos. Nós precisaremos de maior e melhor segurança para nos defender de hacks em nossas roupas, paredes e, bem, em nossos cérebros.

E, consequentemente, a tecnologia de nuvem teria que crescer para lidar com todo esse tipo de informação e quantidade que trilhões de dispositivos criarão.

Mas bem, com toda essa quantidade de dispositivos conectados, muitos de nós ficamos ansiosos sobre o que isso pode significar para a nossa privacidade. No entanto, Sangiovanni-Vincentelli não é um deles. "Falta de privacidade não é um problema", diz. "Nós a já perdemos... Se o governo me quer agora, ele me terá. Tudo sobre mim está registrado em algum lugar. O que mais nós poderemos perder?"

Melroy também parece estar mais animada do que nervosa sobre o aumento da digitalização de nosso futuro. "Eu penso que ter formas de nos tornar mais saudáveis e eficientes é algo bom. Há uma evolução social que acontece com a evolução tecnológica. Nós já fomos preocupados sobre câmeras e implicações de privacidade ao tirar fotografias de pessoas. O desafio é fazer com que o ritmo da mudança coincida com a evolução social.


Fonte: http://computerworld.com.br/o-que-acontecera-quando-o-mundo-tiver-um-trilhao-de-dispositivos-conectados



Facebook Twitter LinkedIn Google+ WhatsApp Gmail Email Print



voltar



ATENDIMENTO

Estamos prontos para atender

Tenha a melhor solução para o seu negócio

WhatsApp: (21)99973-5783

CHAT

Fale conosco